Contato Filie-se
Home Sobre a Convenção Notícias Vídeos Fotos Downloads Agenda Pedidos de Oração Pastores Biblia On-line Multimidia Loja Virtual

Palavra do Pastor Presidente

 

O SACRIFICIO

      A prática do sacrificio e encontrada em todo o Planeta, e praticado de alguma forma, nas religiões existentes em todos os lugares, em todos os tempos, sendo visto como uma grande expressão de Fé, sem duvida jamais seria possível a realização do sacrificio sem a fé, a fé e razão principal para um verdadeiro sacrifício, o sacrificio agradável a Deus necessita da esência da fé, pois sem a fé, e impossível agradar a Deus.

   A atitude do Sacrificio resulta em renunciar alguma coisa voluntariamente, em troca de outra, independentemente de quando vai receber ou aonde vai acontecer, tendo a certeza que de que, e dando que se recebe, as perdas são necessárias para que Deus venha reconhecer como perfeito o nosso Sacrificio, e que uma vez reconhecido e aceito pelo Senhor o nosso sacrificio, ele nos concedera todas coisas e nos suprirá todas as necessidades, Amém

Atenciosamente

Pr. Sergio de Oliveira 

..................................................................................................................

O VERDADEIRO ALIMENTO

Quantos de nós trabalhamos e trabalhamos para nosso sustento, isso é bom, e saudável. Todavia, Jesus nos ensinou a realizar um outro "trabalho" - "... trabalhar pela comida que subsiste para a vida eterna" [João 6.27]

Existe, portanto um alimento que nutre a esperança, que supre todas as necessidades da alma, porque temos fome de eternidade, existe um alimento espiritual que fortalece o abatido, levanta o caído e nos faz cantar as velhas canções esquecidas e que alegravam o nosso coração. É uma comida preparada para você, para você que suspira e geme por algo melhor.

Onde encontrar esse alimento? Quem sabe a primeira resposta que vem na mente de muitos seja: "na religião" - Não! Você não encontra o que procura na religião. Muitos religiosos havia na época na qual Jesus falou essas palavras: Fariseus, Saduceus, Zelotes, Herodianos, e outros. Porém, Jesus nos surpreende quando nos aponta a origem do alimento espiritual. "Trabalhar pela comida que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará" [João 6.27]. A melhor ilustração é Nicodemos, religioso, mestre em Israel, líder espiritual da Sinagoga, zeloso em cumprir o que a religião lhe ordenava fazer. Cheio de religião, mas vazio, tão vazio de alma, que saiu a procura de uma resposta para sua procura. Encontrou a Graça de Deus, que lhe aponta a solução: "nascer de novo".

   Aqui está a mesa posta: "A comida, a qual o Filho do Homem vos dará" -- Eu não posso lhe dar esse alimento, nem seu vizinho e nem o mais religiosos dos homens sobre a terra. A origem do sustento espiritual de cada discípulo de Jesus é de origem divina, esse alimento vem do céu. Quem sabe seja essa a lição que os Israelitas no deserto deveriam ter aprendido quando colhiam o Maná. Aprender a olhar para cima, para o lugar de origem de toda a benção. 

Quantos ainda se enganam. Perseguem ilusões, correm atrás do vento, como se o alimento que sustenta a fé fosse um copo de água sobre o rádio, um lenço chamado "abençoado" e outras coisas na mala de vendedores de falsas esperanças. 

Ouça Jesus - Ele disse que o alimento para sua alma, aquela comida espiritual que lhe sustenta e nutre, Ele, somente Ele dará. Receba pela fé sua porção, sente-se à mesa, não como um estranho, mas como um amigo do Dono da Festa, participe do banquete, permita-se sentir o aroma da vida eterna. 

Fique satisfeito com o que vem de cima e não procure o que vem de baixo. Levante seus olhos e veja pela fé o Maná fluir como um rio abra você os seus braços e cante, enquanto desfruta da viagem. Um dia, quem sabe muito em breve, estaremos de novo na Sala do Banquete, nas Bodas do Cordeiro, Deus enxugará a lágrima, que ainda teimosa escorrega pela face de Seus convidados e finalmente teremos não apenas uma pequena porção, mas a Vida Eterna que Ele prometeu.

Cordialmente:

Dr. Raúl Ariel - CEDIDO GENTILMENTO A CIEB

Compartilhe esta página